30 de jun de 2011

Miniaturas: Afinal, Qual Seu Valor?


Olá galera, faz um tempo que não postamos, como alguns devem ter visto no twitter estamos enfrentando algumas dificuldades, pois todos os três membros atuais da equipe irão viajar por um mês, começando esta semana, eu e Plínio estaremos na Inglaterra e o Artur vai estar lá pelas terras do Maradona. Mas, de qualquer forma, não é isso que irei falar neste post, o assunto é um tema um pouco mais polemico, Miniaturas.

Nos meus curtos sete anos jogando RPG já vi várias opiniões totalmente diferentes quanto a seu uso, alguns dizem ser imprescindível, já outros afirmam que é algo totalmente banal e que só serve para sugar seu dinheiro. Na minha opinião o tema é um pouco mais complexo que isso, pois, na realidade, seu uso é totalmente dependente do sistema que está sendo utilizado para o jogo, por exemplo "O mundo das Trevas" é um que torna as miniaturas em brinquedos caros que não servem para nada, já "D&D 4e" torna-as quase obrigatórias.




O que importa de verdade quanto ao seu uso ou não é a aprovação dos jogadores porque eles podem querer usar miniaturas em um sistema onde elas não são realmente necessárias e com isso o jogo ficará mais divertido para eles. Em outros casos, existem jogadores que abominam o uso desta ferramenta, para esses o jogo fica bem mais legal se for só na imaginação, algo que tenho que concordar que é um argumento extremamente válido para não usá-las.

A maior desvantagem das miniaturas é o fato delas transformarem o RPG em um Boardgame durante alguns momentos, por exemplo, em minha mesa de D&D já percebi que durante o combate o jogo se torna algo como um "WAR" mais enfeitado. Cada um gosta do que quer, eu sei que gosto de jogar D&D exatamente por isso, tanto que quando quero algo mais interpretativo nunca uso minhas queridas "minis" e percebo que entro mais no jogo.

Como já disse inúmeras vezes acima nesse texto, a vantagem da miniatura é que ela acelera muito decisões estratégicas, pois garante uma visão bem melhor da cena e de onde você se localiza dentro do jogo. Certos jogos exigem isso exatamente por esse motivo, mas elas não são obrigatórias mesmo assim, pois você sempre pode pegar um papel e desenhar a cena, pode não ser tão eficiente, mas já é alguma coisa.

No final das contas, usar ou não miniaturas é uma decisão do grupo e só deve ser feita com base em um fator: a diversão. O RPG é feito para ser divertido, se ele está chato ou sem graça não tem porque jogar, portanto use sempre este fator para saber se vai ou não colocar algo no jogo. Bem, cambada, vou encerrar este post por aqui, digam sobre o que acharam ou usos úteis de miniaturas nos comentarios e vamos jogar RPG.

Escrito por Carlos Roberto

2 comentários:

  1. Fala tio!!!!
    Vou postar a experiência minha, desde o começo da década dos anos 90 jogando. Nunca precisei antigamente de miniaturas, mas as regras nunca foram tão explicativas, e as ultima versões dos jogos estão realmente chegando em uma realidade mais próxima, quanto um video game ou até mesmo como se vc estivesse em um filme.
    Esse tipo de realidade nos traz mais dentro do jogo ainda, mesmo que em alguns momentos a nossa interpretação não seja necessária, mas os nossos poderes sim.
    Então sejam breves e realmente discutir com o grupo antes de começar a jogar sempre é a melhor saída. Mas já tive grupos, q mesmo q eles queiram jogar sem miniaturas, não consigo mestrar direito, pois eles não conseguem captar o que voce narra, ou então voce não consegue narrar o suficiente para que eles entendam. Agora temos um ponto: vamos usar sempre q necessário.
    Comprar é difícil, mas aos poucos aposto que naca como uma "vaquinha" não possa resolver o problema do money... rsrsrs
    Abraços a todos, e só pra constar, eu consegui comprar as minhas primeiras miniaturas essa semana e ainda não chegou!!!!
    Imaginem minha ansiedade de jogar com miniaturas oficiais?
    Abraços e ótimo post!!
    Tio Moacyr

    ResponderExcluir
  2. Tenho mais de 100 miniaturas oficiais do D&D 4ª edição. Porém, acredito ser possível jogar sem elas. Sem miniaturas, o jogo fica mais rápido e realista, pois ninguém tem muito tempo de ficar calculando distâncias. É por isso que seu jogo fica igual à um Wargame. Dois grandes do D&D dão dicas sobre isso, Mike Mearls(http://kotgl.blogspot.com/2009/03/no-minis-no-problem.html) e Monte Cook (http://www.montecook.com/arch_dmonly21.html). Ambos participaram do desenvolvimento do D&D 3.5 e 4ª edição.

    Sem minis, ficamos mais imersos no combate e isso pode ser muito divertido. Confesso que os dois melhores combates que mestrei não tinham miniaturas nem matriz de combate, apenas um rascunho do local de combate sem os quadrados ou aquela exatidão toda. Até eu escrevi alguns posts sobre isso: http://montantemagica.blogspot.com/2011/04/d-4-pode-ser-old-school-sim.html

    Abraços.

    ResponderExcluir