5 de ago de 2011

Eu odeio o RPG

Talvez não podemos enxergar tudo com os olhos vendados pelo nosso amor, porém, nosso hobby tem passado por tempos obscuros e cada vez mais difíceis, o RPG pode estar se transformando em algo totalmente diferente. Muitos vão pensar que este post é uma ironia e que estou apenas tentando trollar todo mundo, mas, infelizmente, isto não é o que estou fazendo.


Em  1974, quando Gygax criou o RPG de mesa ao transformar um War Game em um jogo de interpretação de papéis ele possivelmente não esperava que isso se espalhasse pelo globo e se tornasse uma das mais interativas formas de diversão, ele provavelmente achava que ia tudo ser algo muito interno entre nerds. Foi com esse ímpeto de inovação que surgiu o "D&D", que, mesmo que com algumas crises de edição para edição, continua como o RPG estereótipo predominante.

Depois, em 1986, tivemos mais uma inovação, "GURPS", o primeiro sistema genérico foi criado, permitindo assim uma grande expansão do mercado, com novos tipos de cenários que eram apenas limitados pela sua imaginação. Assim o hobby sofreu mais uma expansão e conseguiu alcançar um público novo, que não queria tantas regras complexas como antes, apenas desejavam se divertir interpretando personagens.

Mais a frente (1991), surgiu mais uma grande coisa, o sistema Storytelling, com o cenário inicial de "Vampiro: a Máscara", este amadurecia mais ainda o conceito de interpretação e tornava as regras em algo um pouco mais real e menos abstratas que D&D. Apesar de não ter a capacidade de ser adaptável como GURPS (afinal, não era o seu objetivo), o jogo atraiu uma grande leva de fãs de literatura gótica para o hobby (incluindo meu pai) e trouxe um amadurecimento que era necessário para o jogo continuar existindo.

Até hoje estas séries continuam a ser as principais do mercado e esmagam boa parte da concorrência, deixando outros jogos inovadores sem chance alguma de aparecerem e atraírem novos jogadores. Estes grandes RPGs ficaram enormes e continuam a crescer, porém, pararam a alguns anos de inovar, tome como exemplo o novo mundo das trevas, os únicos cenários que mudaram de forma substancialmente foram, ao menos na minha opinião, Changeling e Mago, o sistema em si apenas foi melhorado.

D&D também não mudou muito, apesar de muitos continuarem reclamando sobre como a 4ª edição parece um jogo de video-game, ela continua a mesma coisa, D&D sempre pareceu um jogo e é isso que faz dele legal. A única mudança é que ele parece sempre com os jogos da época, no inicio parecia WarGame, depois passou a copiar literatura fantástica (o sistema de magia da 3ª edição é baseado em um livro) agora passou a copiar os World of Warcraft e clones.

Hoje temos a internet, com ela vários sistemas tomados como "indies" foram surgindo e trazendo conceitos cada vez mais inovadores, o problema é que eles nunca irão alcançar o grande mercado, não importa como ou porque, poucos são aqueles que chegam a ser publicados e realmente fazem sucesso. Eu, por exemplo, amo o Shotgun Diaries, um sistema de 14 páginas brutal, comprei ele no Drive ThruRPG por cinco dólares, um preço quase nominal por algo tão bom, já me diverti inúmeras vezes com ele, mas sei que poucos são aqueles que irão conhecer ele se não for pelo boca a boca.

Sei que a cada minuto alguém deve estar tendo uma nova ideia genial e deve criar um RPG super inovador com ela, porém, nós nunca veremos este jogo, pois a própria indústria que fez nosso hobby algo relativamente grande não está dando a oportunidade que ele deveria ter para crescer. Sei também que existem grandes game designers aqui em nossas terras tupiniquins que lutam para ter seu jogo divulgado, mas não conseguem o espaço necessário para isso.

Espero que no futuro possamos olhar para o RPG e nos perguntar como jogávamos coisas retrogradas como essas que jogamos hoje, que o hobby pare de ser saudosista e comece a perceber que os novos jogos iconoclastas estão se tornando cada vez melhores. Vivemos na era da informação e devemos tentar, cada vez mais, tornar importantes estes pequenos jogos sem sucesso, pois no futuro poderemos ter momentos ainda mais divertidos jogando com nossos amigos.

Com o advento dos jogos eletrônicos muito tem se perdido da essência do nosso jogo, por isso penso que apenas com a inovação podemos mostrar o que realmente torna esse hobby em algo diferente do resto: a Imaginação. Um jogo de computador nunca superará uma boa tarde bebendo coca-cola quente, comendo pão de queijo e interpretando seu bardo, seu punk vampiro, seu samurai do serrado ou hacker internacional junto de seus amigos. Não sei se os dados são realmente uma necessidade, na realidade, estou ficando muito inclinado a dizer que eles são culpados pela estagnação do RPG, mas acho que isso já é assunto para outro post.

Então, até mais gente e vamos criar novos sistemas iconoclastas porque é disso que o RPG precisa, pois ele é bom pra...


Escrito por Carlos Roberto

2 comentários:

  1. Olá, gostaria de deixar o link da loja de rpg Taberna do Dragão. A loja conta com uma grande variedade de dados para jogos, livros, miniaturas e muito mais, venha conferir.

    ResponderExcluir
  2. Só uma observação. O sistema de Vampiro: A Máscara é Storyteller e não Storytelling.

    ResponderExcluir